quarta-feira, 16 de outubro de 2019

ALLIES – CRÍTICA DA HQ

ouvindo: Metal Gear Solid Original Game Soundtrack, de 1998.

dia desses ai num desses encontros casuais que eu ‘tava procurando HQ nova pra ler quando deveria estar escrevendo dissertação (só pra variar, mas foda-se, minha pesquisa é sobre HQ mesmo), encontrei no Invisíveis HQ uma produzida só por mulheres chamada ALLIES. achei a premissa do caralho e, pelos nomes das autoras – Natalia Devova, Alina Erofeeva e Victoria Vinogradova – na descrição, pensei “caralho, essa porra é russa” “ou feita por russos em outra parte da Europa” “ou feita por russos residentes nos Estados Unidos” “ou feita por descendentes de russos que habitam os Estados Unidos” eu? doente? retardado? não, imagina. procurei aqui e ali na internet pra fazer esse post e eis que a porra é mesmo made in Federação Russa.
IN VODKA WE TRUST
na verdade, Allies não é uma HQ que começa do zero, mas dá pra começar a ler do zero. (Allies) é continuação de uma chamada Red Fury, também da editora Bubbles, mas escrita pelo editor-chefe desta, Artem Gabrelyanov, com arte de Denis Popov e Oleg Okunev, este último também responsável pelas capas e arte-final; e cores de Anastasiya Katerinich.
as nove edições de Red Fury, publicadas altamente irregularmente entre novembro de 2015 e julho de 2018 
POIS BEM! Allies é uma HQ de espionagem com ficção científica que novidade, olha, ‘tô realmente admirado com a criatividade desses caras. e, quando se fala em HQ de espionagem, claro que temos que falar de
 Metal Gear Solid ‘tá, sim, sou suspeito pra falar sim, mas vou falar mesmo porque o blog é meu e foda-se
Spy vs Spy SE NÃO CONHECE, RAPA DAQUI, CARALHO
Elevator Action (não é HQ mas é obrigatório também se não concorda, vá se fuder)
Queen & Country, do mestre Greg Rucka, para a Oni Comics
Xeque-Mate, a agência de espionagem da DC, criada pelo roteirista e editor Paul Kupperberg (Vigilante, Mulher-Maravilha, Liga da Justiça) e pelo desenhista Steve Erwin (Exterminador, Grimjack, Jornada nas Estrelas) em 1988, mas que quase ninguém sabia de onde veio, parou de paraquedas na clássica e saudosa DC2000, da Abril Jovem, e pra onde foi porque raramente dava as caras por aqui pelo país (mas, bem, então quer dizer que faziam o trabalho deles muito bem porque ninguém sabia nada sobre eles, porra)
Viúva Negra, a.k.a. Natalia Alianovna Romanova, ocidentalmente chamada de Natasha Romanoff, mas é a Viúva da Era de Prata da Marvel, sendo a primeira Claire Voyant, cuja primeira aparição foi na revista Mystic Comics #4, de agosto de 1940, ainda da Timely Comics. a primeira aparição da Viúva Negra Natasha Romanoff, na Tales of Suspense #52, de abril de 1964
Mistica, a.k.a. Raven Darkhölme, criada pelo roteirista Chris Claremont DISPENSA APRESENTAÇÕES e pelo artista David Cockrum, considerada a mutante mais perigosa do mundo, cuja primeira aparição foi na revista  Ms. Marvel #16, de maio de 1978, e só começou a detonar mesmo a Marvel dois números depois, ainda no mesmo ano

as 13 edições até agora de Allies, também publicadas irregularmente pela Bubbies entre março de 2017 e setembro de 2018
‘tá, mas qual é o papo de Allies , além de ser sequência de Red Fury e ser uma espionagem com ficção científica escrita por Natalia Devova, com arte de Alina Erofeeva (somente capa na edição 12), Marina Privalova (nas edições 5 a 7) e Anna Rud (a partir da edição 12) ; e; sendo colorida por Victoria Vinogradova (até a edição 11) e Anastasia Troitskaya (a partir da edição 12); publicada pela editora russa Bubble, por fundada em 2011 pelo roteirista de quadrinhos (já mencionado) Artem Gabrelyanov?
Nika Chaikina, apresentada em Red Fury, foi a melhor ladra de seu tempo e foi convocada pela Agência de Controle Internacional – criada nos anos 1940 – para ser uma agente secreta e prevenir ou terminar conflitos ao redor do globo, como a Crise dos Misseis em Cuba. então essa Agência lhe imbui o já manjado pra caralho trabalho de recuperar o Santo Graal e impedir que caia em mãos erradas.
clichê do caralho, né?
Allies começa com Chaikina presa em uma instalação médica SEM AS PERNAS que perdeu no fim de Red Fury, sendo torturada por alucinações e memórias, que não sabe quais são reais ou não até em um momento, descobrir-se que ela e sua antiga equipe – Lotta, Arthur, Josh e Johnny – estão presos em algum lugar por August van der Holt, seu antagonista, que desejava para si o Santo Graal.
então que entra em cena John Simmons, que encontra Jessica Rodriguez, rival de Chaikina, e pede sua ajuda para salvar Chaikina e seu pessoal das maõs de Holt essa sequência lembra muito, a cutscene de conversa de Campbell e Solid em Metal Gear Solid, para que Solid vá cumprir a missão em Shadow Moses.
no começo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você está em solo sagrado!
Agora entalhe com vossas garras na Árvore dos Registros e mostre a todos que virão que você esteve aqui!!!